Ensaio sobre a solidão

Texto e performance incríveis do Raffiz, do Eu Não Sou Marinheiro.

Minha solidão não é desacompanhada de indivíduos.
Minha solidão tem nome, pele e ouvidos.
Tem hora pra chegar,
E não tem hora pra dormir.
Desvairada, se esparrama na cama.
Goza, se lambuza,
treme e amaldiçoa.
Se instala entre estalos de ossos,
Ecoa absoluta.
Na sua imensidão ocre
despeja insalubridade por cada poro aberto.
Fatiga, suga, consome irresponsável,
eterniza o quase insuportável,
dilacera membranas esperançosas,
cospe no orgulho até arder.
Se derrama,
abundante.
Quando não se agüenta mais, levanta e sai,
Não olha pra trás.
Bate a porta.
Me abandona em pedaços insensatos,
sem desejo de desejar,
ansioso por preencher o volume desse espaço corrompido.

Anúncios

Sobre Felipe Lins
Onde eu nasci passa um rio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: