Mihaela Ivanova

A ideia não é lá muito original mas não deixa de ser incrível. Nessa pequena série, Mihaela Ivanova cobre trechos do rosto das pessoas com pedaços de imagens de rostos de celebridades. Dá pra indentificar quem são, né?

Anúncios

Past Present Future

Sensacional o vídeo lançado pela cooperativa de fotógrafos Magnum Photos em parceria com a Leica. O curta documenta alguns dos momentos mais importantes histórica e culturalmente para a fotografia. Pega o caderno e a caneta porque é uma aula!

Crescendo no Japão ♥

Nagano Toyokazu, o pai de Mia e Kanna, essas duas irmãs japonesas lindas, tira fotos incríveis de suas filhas, tanto naturalmente quanto crianto criando narrativas fictícias. Ele conta que quer apenas que elas tenham boas lembranças de momentos incríveis de suas infâncias.

Algumas fotos das meninas estão no Flickr Group maravilhoso Please Donate For Japan Earthquake, que reúne imagens de um Japão sereno do qual as pessoas estão habituadas, bem diferente do cenário de tragédia atual por conta do terremoto e tsunami, além de fotos de pessoas ajudando como podem ao redor do mundo.

As fotos incríveis são do Flickr incrível do Toyokazu.

Janela da alma

Diz-se que o mais importante para qualquer fotógrafo é o olhar, capaz de reconhecer o momento exato de acionar o gatilho de sua máquina para uma foto perfeita. É difícil imaginar fazer isso de olhos fechados, senão impossível. Pete Eckert, no entanto, mostra nesse documentário emocionante, que é sim um fotógrafo incrível e uma pessoa extremamente visual, mesmo sendo completamente cego.

Pete já ganhou vários prêmios em concursos internacionais de fotografia e tem espaço garantido em exposições em galerias importantes do mundo. Sua história me lembrou um outro documentário incrível que eu tive a felicidade de achar, na íntegra, no Google Videos, o Janelas da Alma, de 2002, com direção de João Jardim e Walter Carvalho. Nele, “dezenove pessoas com diferentes graus de deficiência visual, da miopia discreta à cegueira total, falam como se vêem, como vêem os outros e como percebem o mundo. O escritor e prêmio Nobel José Saramago, o músico Hermeto Paschoal, o cineasta Wim Wenders, o fotógrafo cego franco-esloveno Evgen Bavcar, o neurologista Oliver Sacks, a atriz Marieta Severo, o vereador cego Arnaldo Godoy, entre outros, fazem revelações pessoais e inesperadas sobre vários aspectos relativos à visão: o funcionamento fisiológico do olho, o uso de óculos e suas implicações sobre a personalidade, o significado de ver ou não ver em um mundo saturado de imagens e também a importância das emoções como elemento transformador da realidade ­ se é que ela é a mesma para todos” (sinopse). O vídeo provavelmente vai aparecer pequeno aqui no blog, então aqui vai o link para o Google Videos.

Pessoas em festivais

Fiquei encantado com essas fotos de Alina Nikitina de pessoas em festivais de música.

Back To The Future

Quando a gente é criança, nem se importa em tirar fotos pelado fazendo poses ridículas, né? Agora imagina reproduzir a mesma imagem quando adulto?

Back To The Future é o nome do projeto fascinante da fotógrafa argentina Irina Werning. Ela teve a incrível ideia de recriar fotos antigas de seus amigos e parentes.

Irina conta: “Adoro fotos antigas. Também admito que sou uma fotógrafa bastante intrometida. Assim que eu entro na casa das pessoas, já começo a fuçar procurando por fotos antigas. A maioria das pessoas fica fascinada pelo look retrô delas, mas o que me fascina de verdade é imaginar como as pessoas se sentiriam se tivessem que refazer aquelas imagens hoje em dia… Daí, há alguns meses atrás eu decidi que iria de fato me dedicar a isso. Então, com minha câmera, comecei a convidar as pessoas a revisitarem seus passados.”

O amor é importante, porra!

Devo confessar, sou um romântico incorrigível, do tipo que chora com pedidos de casamentos alheios e especialmente com cerimônias. Por esse motivo, fiquei chocado há um tempo atrás quando li essa matéria da Jackie Dewe Mathews na Trip sobre o casamento no Quirguistão.

EU OS DECLARO SEQUESTRADOR E MULHER

No Quirguistão um terço das noivas chega ao altar depois de serem sequestradas.
Por Jackie Dewe Mathews.

“Meu pai construiu uma casa nova e disse que era hora de eu arranjar uma esposa. Fui com um grupo de amigos até o dormitório da universidade e roubei Aigul do seu quarto. Ela estava sem sapatos e de pijamas”, conta Bekzat

“Ala kachuu”, no idioma do Quirguistão, significa pegar alguma coisa e sair correndo – incluindo aí moças que mais tarde virarão noivas contra a vontade. No país da Ásia Central, um terço dos casamentos funciona sob uma ética dos tempos da caverna: o rapaz escolhe a felizarda, a leva à força para casa e, junto da família, tenta convencê-la do matrimônio. Caso obtenha sucesso – e, na maioria das vezes, obtém –, na manhã seguinte ela já estará de véu e grinalda.

Algumas noivas são raptadas por amigos, outras por homens que nunca viram na vida e umas poucas escapam após violentas provações. Mas a maioria prefere aceitar seu destino por apego às tradições muçulmanas do país. Após passarem forçadamente a noite na casa de um homem, elas não aguentam viver com sua virgindade e pureza postas em questão.

Os “ala kachuu” foram banidos durante o regime soviético no país e continuam ilegais, porém os sequestradores são raramente condenados. Desde a declaração de independência do Quirguistão, em 1991, o número de sequestros galopou, por uma série de razões: são tidos como parte da identidade nacional; existem poucos espaços na sociedade para os dois sexos se misturarem, mas há uma forte pressão para que os homens arranjem uma esposa até uma certa idade; para as pobres famílias quirguizes, a modalidade anacrônica de matrimônio sai bem mais em conta do que os casórios tradicionais com suas cerimônias cheias de pompa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos de Jackie Dewe Mathews.

Agora perdoem meu pensamento ocidental, mas eu acho mesmo é que…

E isso é tão verdade que eu tenho essa foto da Ivi pendurada na parede da minha casa.